top of page
  • Foto do escritoradmin

CONSEQUENCE: MILEY BRILHA EM TURNÊ VOCAL PELA CALIFÓRNIA

Com 75 pontos, leia a resenha do Consequence.net sobre o "Endless Summer Vacation". "Miley Cyrus brilha em uma turnê vocal pela costa da Califórnia. A 'carta de amor para LA' é um novo lado cuidadosamente construído e convidativo para a estrela". Confira a tradução:


Existem muito poucos artistas pop com o poder de permanência de Miley Cyrus. Talvez seja porque tivemos a oportunidade de ser reapresentados a ela tantas vezes. Nos últimos 17 anos, desde que ela invadiu milhões de lares como uma jovem que só queria o melhor dos dois mundos, conhecemos uma vizinha rebelde, uma estrela do rock, uma rainha do pop e uma garota acústica de quintal.


Com seu novo álbum de estúdio Endless Summer Vacation (lançado hoje, 10 de março), Cyrus compartilhou mais um lado de si mesma. Ela tem 30 anos agora, mas está longe de se estabelecer; o fogo que sempre queimou em Miley e que a torna tão fascinante, sedutora e imprevisível ainda está forte. E, se há uma lição temática nas 13 faixas de Endless Summer Vacation, é que ela nunca permitirá que ninguém diminua essa luz.


Esta era segue o Plastic Hearts de Cyrus, um projeto de rock de 2020 que contou com colaborações com Joan Jett e Stevie Nicks. Cyrus descreve Endless Summer Vacation, por outro lado, como sua “carta de amor para LA”, e essa visão é evidente em todos os cantos do álbum. Ouvir o álbum é como viver alguns dias na ensolarada Cali com Miley: acordar com “Flowers”, fazer um passeio à beira-mar acompanhado por “Rose Colored Lenses”, apaixonar-se sob o luar por “You”, tropeçar dentro e fora do clube para “Handstand” e “River” e, em seguida, iniciando o processo novamente com a segunda metade do LP.


Não é nenhum segredo que parte do álbum (o recorde “Flowers” em particular) foi inspirado pelo divórcio de Cyrus, mas não parece estritamente como um álbum de separação. Parece mais rico e amplo do que isso, uma história geral de redefinição e redescoberta que encoraja o ouvinte a se entregar a seus próprios caprichos. “Eu quero cortar meu cabelo e tirar minhas botas/ Dançar ao vento só para fazer isso de novo”, ela canta em “You”.


De certa forma, Endless Summer Vacation lembra a Golden Hour de Kacey Musgraves; não nos temas, necessariamente, visto que o amado LP de Musgraves era sobre se deleitar com um amor que parece que nunca vai acabar, mas em sua fluidez de gênero. Os dois álbuns também compartilham uma forte perspectiva e uma confiança na voz central que conta a história. Endless Summer Vacation, no entanto, ganha vida nos momentos em que Cyrus solta seus vocais característicos, liberando todo o seu poder no ouvinte. E, felizmente, é o que acontece durante a maior parte do álbum.


O álbum é um lembrete daquela proeza vocal que carregou Cyrus por tantas eras mencionadas. O refrão de “Wildcard” é um destaque, enquanto a totalidade da fantasia de valsa movida a sexo em “You” é outro. Ela se inclina mais para trás em suas raízes do Tennessee, apropriadamente, em sua colaboração com a maravilhosa Brandi Carlile, um conto de aceitação de trovador intitulado “Thousand Miles”.


No caso de alguém pensar que este seria um disco em grande parte country-rock ou uma coleção simplificada da Califórnia, porém, há muitas faixas que rapidamente dissipam essas ideias. Miley se torna uma estrela pop completa em “River”, um bop pronto para o clube que pode não ser parecido com o deslocamento de Future Nostalgia de Dua Lipa ou Chromatica de Lady Gaga. Co-escrita por Cyrus (assim como todas as outras músicas do LP) e produzida pelos hitmakers de Hollywood Kid Harpoon e Tyler Johnson, “River” parece a peça central inspirada na discoteca do álbum. É finalizado por “Handstand”, um interlúdio ou tipo pulsante e estrondoso, e a divertida “Violet Chemistry”, totalizando uma corrida transportável de três faixas bem no meio do disco.


Enquanto Cyrus ainda brilha no refrão de “Muddy Feet”, a presença de Sia na música ao piano parece inconsequente. Há também uma perda de impulso no final do álbum em “Island”, um devaneio tropical e sonolento com letras que não prendem o ouvinte como outras partes do álbum. As coisas são recentralizadas pela balada final de “Wonder Woman”, e a escolha de colocar uma versão demo de “Flowers” é fantástica; parece que os créditos estão rolando em Endless Summer Vacation, as luzes estão voltando e Cyrus está nos conduzindo para uma tarde quente.


Para tantos ouvintes, Miley Cyrus se sentiu como uma amiga que caminhou ao lado deles em diferentes capítulos da vida. Ela é franca e às vezes confusa de todas as maneiras; ela gosta de correr riscos e sabe o que representa. A maioria de nós nunca saberá como é viver a vida tão publicamente, ou ter que resolver a privacidade de um coração partido no palco do mundo, e não é que ela faça nada parecer fácil - é que ela faz parecer real.


A corrente de honestidade que percorre Endless Summer Vacation encoraja o ouvinte a apertar o play novamente, e as histórias aqui ficam ainda melhores em uma segunda ou terceira audição. É coeso sem parecer repetitivo. “Onde eu acabo, eu realmente não me importo / Estou fora de mim, mas ainda estou me segurando”, ela canta em “Thousand Miles”.


Esse tipo de narrativa franca pode ter contribuído para um bom registro; Os vocais de Cyrus levam as coisas ainda mais ao território da grandeza.


Comentarios


bottom of page